Siga-nos

OiCanadá

Cultura

O outro lado do jeitinho brasileiro

Como é possível tê-lo como virtude se o jeitinho é essa vertente da corrupção e do apadrinhamento prejudicial à sociedade e ao indivíduo? É difícil imaginar que exista uma resposta para essa pergunta, mas ela existe. Na verdade, quando dizem que o jeitinho é uma qualidade do brasileiro, pessoas se referem não às consequências da generalização deste comportamento mas sim às habilidades adquiridas pelos brasileiros que são obrigados a conviver com o jeitinho. É justamente disso que falo neste post.

Thinking outside the box - foto: http://www.flickr.com/photos/doctorious/

Minha intenção ao escrever sobre o jeitinho brasileiro no exterior era instigar o leitor a pensar sobre as causas e as consequências da proliferação deste tipo de comportamento. Nós vimos que o “jeitinho” é um modo de agir irônico e contraditório que prevalece em sociedades cuja população se sente coagida pelos mecanismos sociopolítico-econômicos de seu país, assim como a brasileira, mas que pode surgir também nos países considerados desenvolvidos, assim como o Canadá. A generalização do jeitinho é resultado de um modo de pensar redundante – um cidadão procura levar vantagem sobre os demais justamente para que ele não seja desavantajado – que ao invés de solucionar, aceita os problemas como eles são. Concluímos, então, que o jeitinho usado pelo brasileiro acaba por fortalecer o mesmo sistema que coage a população.

Felizmente, o artigo gerou repercussão e diversas foram as reações demonstradas pelos leitores através de e-mails e comentários. Uma bastante comum e que vale consideração foi que a análise proposta sobre o jeitinho brasileiro serviu para mostrar que a nossa sociedade está “contaminada” e “não tem mais cura”. Isso, porém, não é verdade. Apesar de ser, a priori, um fenômeno antropológico, o jeitinho brasileiro é, em sua capacidade social, um fenômeno cultural. Isso significa que ele não é inerente à nossa sociedade e pode sim ser eliminado. O brasileiro que notar que está tirando vantagem não só da sociedade – como se ele não fizesse parte dela – mas também de si mesmo, certamente procurará agir de uma outra maneira. É só humano. Por isso disse acreditar que essa “contaminação” pode ser “curada” com um pouco de reflexão. Mas confesso que, como sugeriu um leitor, talvez seja preciso muita reflexão. Um pouco pode não ser o bastante.

Vale notar também que o brasileiro adepto do jeitinho – desde o que compra produtos piratas ao que conta com serviços irregulares –, por ser confuso, não é mau caráter. Por ter se tornado norma de convivência na sociedade, às vezes acabamos nos rendendo às facilidades que um jeitinho nos propõe, e sua praticidade. Mas ainda mais importante que agir corretamente é agir conscientemente, já que assim, mesmo quando damos um jeitinho, sabemos como podemos e porque devemos melhorar. Assim podemos também conscientizar quem desconhece as raízes e as consequências de suas ações.

Outra reação comum entre os leitores foi dizer que, apesar dos pesares, o jeitinho é de fato uma virtude do brasileiro. Mas como é possível tê-lo como virtude se o jeitinho é essa vertente da corrupção e do apadrinhamento prejudicial à sociedade e ao indivíduo? É difícil imaginar que exista uma resposta para essa pergunta, mas ela existe. Na verdade, quando dizem que o jeitinho é uma qualidade do brasileiro, pessoas se referem não às consequências da generalização deste comportamento para a sociedade como as que foram discutidas no último post, mas sim às habilidades adquiridas pelos brasileiros que são obrigados a conviver com o jeitinho. É justamente disso que falo agora.

No exterior, o profissional brasileiro tem fama de ser, entre outras coisas, ágil e carismático, e tendo trabalhado dentro e fora do Brasil, eu posso atestar esse fato. Claro, são muitos os “brazucas” desprovidos dessas qualidades e muitos os “gringos” providos delas, mas não é à toa que brasileiro tem essa fama. Diferente da população de países desenvolvidos, como já discutimos, o brasileiro muitas vezes tem de driblar normas e convenções sociais (tem de dar um jeitinho) para resolver problemas que parecem não ter solução. E isso simplesmente para funcionar normalmente na sociedade. Vamos a um exemplo.

Até uns anos atrás, tirar a carteira de motorista na região metropolitana de São Paulo através dos trâmites convencionais era praticamente impossível. Qualquer pessoa que não se sujeitasse a pagar uma quantia pré-determinada pela auto-escola para obter a carta, teria que realizar o teste prático perfeitamente. Perfeitamente. Olhar para o retrovisor sem precisar por um segundo sequer resultaria em reprovação. Agora, quem não resistia às pressões sociais ou até mesmo à praticidade do jeitinho – o que, neste caso, é de se entender – pagava pela carta e era garantido a aprovação no teste prático. Só não podia bater o carro (aliás, minto, uma amiga bateu o carro sutilmente em uma árvore e ainda assim recebeu a carta). Só não podia dar “PT”. Mas o que fazia o candidato que precisava da carta mas não tinha dinheiro para o suborno? Ele conversava com “Fulano”, pedia um favor para “Ciclano”, e assim por diante, até dar seu próprio jeitinho. Assim como fazem milhões de brasileiros – às vezes para tirar vantagem, às vezes para receber algo que é de direito seu – o candidato tinha que se virar.

Ao conviver em uma sociedade que funciona desta forma, o brasileiro acaba desenvolvendo o famoso “jogo de cintura”, e é justamente a isso que as pessoas se referem quando dizem que o jeitinho brasileiro é uma virtude. Vale esclarecer, então, que o jogo de cintura não é o jeitinho brasileiro propriamente dito, mas sim uma característica adquirida por aqueles que convivem com o jeitinho. Creio que, assim, todos podemos concordar que o jogo de cintura é sim uma qualidade, mas que o jeitinho em si não é.

Além de carisma e agilidade, que já foram mencionados, ter jogo de cintura significa ter criatividade e predisposição à improvisação, características necessárias para que o brasileiro possa sobreviver em uma sociedade cujo sistema existe pra resolver os problemas do sistema. “Thinking outside the box” é uma expressão da língua inglesa que se refere a um modo inovador de se pensar que resume bem as qualidades do jogo de cintura. Pensar outside the box é pensar a partir de uma nova perspectiva a fim de identificar suposições para poder romper paradígmas. Há definição melhor que essa para “jogo de cintura”? Acho que não.

Horácio já dizia que “a adversidade desperta em nós capacidades que, em circunstâncias favoráveis, teriam ficado adormecidas.” Só é natural, então, que o brasileiro desenvolva jogo de cintura – a habilidade de pensar outside the box – mais que o suiço, o norueguês e o canadense. Infelizmente, isso é resultado da corrupção que permeia nossa sociedade e o jeitinho do qual nos apropriamos para lidar – ou melhor, para conviver – com ela. De qualquer forma, este lado positivo do jeitinho brasileiro, digamos assim, torna o futuro um pouco mais esperançoso. Com jogo de cintura e um pouco de reflexão (está bem, muita reflexão), podemos dar um jeito no jeitinho e consequentemente nos diversos problemas sociais de nosso país.


4 Comentários

4 Comments

  1. Fabio Kaczmarski de Freitas

    02/out/2011 at 22:49

    Caro Bruno,
    De fato seu texto foi um grande sucesso. Tanto que o reproduzi no meu blog como reflexão pessoal. Sua sutileza em colocações pertinentes torna-o um bom pensandor.Contudo, penso que sua hipótese de que o o jeitinho venha findar-se com o jogo de cintura está longe de ocorrer. Não há sinais disto na nossa sociedade. Tenho a honra de lhe dizer que me recusei a tirar a minha carta de motorista e pago o preço de não tê-la c, porque fui sondado a pagar valores extras. Preferi não utilizar do “jogo de cintura” e não ter carta a ter que me subordinar à corrupção. Não meu caro, não mudará enquanto eu viver. Portanto, para mim, isto significa nunca. O jogo de cintura e um pouco de reflexão é uma linda utopia da qual não se pode abrir mão; mas a realidade é outra coisa: http://oultimoquesairfecheaporta.blogspot.com/2011/09/o-sistema-e-indestrutivel-isto-nao-e.html
    http://oultimoquesairfecheaporta.blogspot.com/2011/05/violencia-na-capital-paulista.html

    Contudo, vamos vivendo pois este ainda é nosso lar!

  2. Luiz Felipe da Cunha Chacon

    26/set/2011 at 08:00

    Muito bons os dois artigos e acredito que, apesar de o “jogo de cintura” ser uma estratégia naturalmente esperada diante da situação (jeitinho brasileiro) e extremamente criativa, como coloca o Bruno nos artigos, ainda assim quem a pratica está contribuindo indiretamente com o tal “jeitinho” e isso passa a representar um ciclo vicioso. As pessoas buscam tomar a vantagem e as outras pessoas, para não “perderem” as mesmas oportunidades, agem da mesma forma.
    Assim vemos o mau exemplo se propagar e acredito que somente quando o bom caráter despertar nas pessoas – e isso lhes retirará as vendas dos olhos – é que as pessoas vão entender que a honestidade ainda é o melhor caminho para se viver em grupo.

  3. Luiza

    25/set/2011 at 07:14

    Esse negocio de jeitinho brasileiro nao existe… e jeitinho do ser humano mesmo. Ja vi muita gente com essa mesma caracteristica aqui no Canada e em outros paises do mundo. gente querendo levar vantagem tem em todo lugar, nao e so no Brasil nao.

  4. Renato Lacerda

    21/set/2011 at 15:32

    Caro Bruno,

    Eu acredito que vc nunca ouviu falar de “virus do terceiro mundismo”. Eu fiquei sabendo disto quando morei nos US e tive contato com pessoas que conheciam e estudavam comportamentos humanos. Em sintese este VIRUS esta mais disseminado entre os latinos e foi trazido para a America do Sul pelos portugueses e espanhois. Vc pode verificar que todos os locais colonizados por eles sao subdesenvolvidos como de fato toda a America Central e do Sul. Alem disto entre os latinos existe uma predominancia para dispersar pensamentos o que leva a nenhum premio Nobel de absolutamente nada inclusive Portugal e Espanha sao sinonimos de fracasso economico na Europa pois sabidamente nunca desenvolveram nada que pudesse ajudar a humanidade a progredir a nao ser saquearem e destruirem,como o fizeram destruindo as civilizacoes Maia, Azteca e Inca e recentemente em Angola onde os portugueses saquearam o que puderam e deixaram o Pais na miseria, alem do Brasil obviamente. No Brasil acontece o mesmo e aqui as coisas nunca mudarao,porque esta no cerebro da maioria da populacao todos estes estimulos de jeitinho ,corrupcao, lei de gerson coisas estimuladas pelos pais que querem ver seus filhinhos em empregos publicos sem fazer nada e a maioria quer mesmo e se arrumar no governo e se dar bem com a corrupcao e propinas, ou entao se acomodar na mediocridade sem desnvolver absolutamente nada de util para a sociedade.tudo isto e uma vergonha!!!! e talvez em seculos este maldito virus seja extinto. Nos nao estaremos vivos para ver isto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Continue lendo
Publicidade
Leia também...
Bruno Vompean

Bruno é natural de Santo André (SP) e mora no Canadá desde 2007, onde estudou Filosofia e Criminologia na Universidade de Toronto até 2014. Mantém os blogs Enganos Mundanos e Conditioned Things.

Mais em: Cultura

Receba as novidades do blog por email

Digite seus dados abaixo para assinar nosso boletim e receber todas as novidades do blog em sua caixa postal. É de graça e você pode se descadastrar a qualquer momento.
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Posts Populares

Topo